b. eco art

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Descartes Nunca Viu Um Macaco / Descartes Never Saw a Monkey

Ópera Multimedia  2017

Semana dos Autores/Editores Insubmissos, (libreto e electrónicas)

Ecoarte_Ópera :

(2018) Descartes Nunca Viu Um Macaco/Descartes Never Saw a Monkey, Ópera Multimedia, (libreto e electrónicas), integrada na III Bienal Jorge Lima Barreto, Centro Cultural de Vinhais, Setembro 2018 (em curso)

(2018) Descartes Nunca Viu Um Macaco/Descartes Never Saw a Monkey, Ópera Multimedia, (libreto e electrónicas), Festival Artes à Rua, Évora, Agosto 2018 (em curso)

(2017) Descartes Nunca Viu Um Macaco / Descartes Never Saw a Monkey, Ópera Multimedia, Semana dos Autores/Editores Insubmissos, (libreto e electrónicas), Jardim do Almirante dos Reis, Funchal, Abril 2017

.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

Homo-Humus (2016)

A instalação Binómio Homo-Humus nos séculos XX e XXI (Binomial Homo-Humus in XX-XXI century) apresentada por Ilda Teresa Castro no espaço Flores do Cabo, entre Agosto e Outubro de 2016, é realizada em três diferentes “painéis” em que o humus é a matéria comum e interrogadora. Estes receptáculos de terra são colocados e justapostos num diálogo que é feito através do contraste. No painel central, colocado horizontalmente e em domínio espacial, a terra é habitada por uma figura central, o homo faber, aqui metaforicamente representado por um boneco do tipo action-man, que num gesticular maquinal e onanista, usurpa, destrói, corrompe a seu bel- prazer a Terra/Natureza. À sua volta distribuem-se os multifacetados resíduos poluentes desta presença transfiguradora.

Nos outros dois painéis que integram a obra, a terra é colocada, num gesto sacralizador, dentro de duas molduras que supostamente a defendem das contaminações humanas. Uma delas contém, entre outros materiais não naturais, vestígios da própria autora, que é identificada através de uma fotografia de passe de entrada no Jardim Botânico de Lisboa − numa remissão para a criação de lixo, incluso nas práticas relacionadas com a vivência da Natureza, em contexto urbano. A sua presença – também ela interrogadora − inscreve-se, assim, nestes registos morfológicos do húmus. Imediatamente ao lado surge uma moldura que continha apenas a terra intocada mas que, durante o tempo da exposição, preencheu-se de formas vegetais, num verdadeiro paroxismo ao binómio Homo/Humus, e à análise que a artista faz de uma relação, à partida condenada, entre o sujeito humano contemporâneo e a Terra.

Catarina Alfaro, Lisboa, 2016

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

esculturas de terra / soil sculptures (2016)

(com/with Isabel Barros, JP Simões)

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

oxigenários e relicários de sementes / oxigenaries and seed reliquaries (2016)

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

oxigenários / oxigenaries (2015)

.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

esculturas de terra / soil sculptures (2015)

.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

relicários de sementes / seeds reliquaries (2015)

.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

fungos / fungi (2014)

.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

esculturas de terra / soil sculptures (2013)

.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

herbários relicários / herbarium reliquaries (2013)

.

Ecoarte_Instalações :

 

(2018) Ecovisões, III Bienal JLB, Centro Cultural dos Condes de Vinhais, Vinhais, Bragança, 16 e 17 de Setembro 2016 (em curso)

(2016-2017) Homo – Humus, ilda teresa castro . 2016, por/by Catarina Alfaro, Animalia Vegetalia Mineralia Ano III . Número VIII . Inverno 2016-17,  https://animaliavegetaliamineralia.org/arte-e-artistas-art-and-artists

(2016) Oxigenários_Relicários e Esculturas_de_Terra, II Bienal JLB, Centro Cultural dos Condes de Vinhais, Vinhais, Bragança, 16 e 17 de Setembro 2016

(2016) − Homo_Humus (instalação), Flores do Cabo, Pé da Serra, Colares, Agosto – Novembro 2016

(2016) − Diários de uma Pesquisa / Diaries of a Research — Museu Geológico de Lisboa, Sala de Mineralogia, Agosto 2016

(2015). Me LiKe YoU, (instalação), Museu das Marionetas do Porto, Fevereiro-Julho 2015

(2014). Por Mundos Visiveis/On Visible Worlds, (instalação), Festival Sintropia, Flores do Cabo, Pé da Serra, Colares, Setembro 2014

(2014) Performance eco_artística integrada no espectáculo Sonosfera, I Bienal Jorge Lima Barreto, Centro Cultural de Vinhais, Vinhais, Junho 2014

(2014). Animalia_Vegetalia_Mineralia, (instalação), Museu Geológico de Lisboa, Maio — Junho 2014

(2013). Ecceidade, (instalação), Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, Coimbra, Setembro — Novembro 2013

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

 .

 

.

 

.

 

.

 

.

Licença Creative Commons
O trabalho site pessoal de ilda teresa castro está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s